domingo, 7 de maio de 2017

LEMBRANÇAS DE UM PASSADO...

                                                                                                 


                     LEMBRANÇAS DE UM PASSADO
                                                   
                                                                             
                    Tudo era cinza naquela manhã cinza!
                 Cinza o traje da dama ainda jovem, com roupas   de época condizente com a torre em cuja parede se recostava no terraço do castelo cinza.
                 Pensativa e sonhadora a jovem dama tentava esquadrinhar o horizonte a despeito da densa neblina que deixava o dia também cinza e pousado em imenso campo branco recoberto de neve que caia insistentemente naquele frio inverno russo.
                 A dama á torre recostada, olhava fixa e insistentemente esperançosa e também angustiada, como que à espera de alguém, por certo do amado que seguira liderando o exercito armado para uma das muitas guerras que tingiam a neve de vermelho nos campos de batalha e que congelavam de pronto aos que por desgraça caíssem abatidos, dizimando assim as tropas guerreiras.
                A nossa linda e elegante dama continuava dia após dia, a procurar além da neblina, a figura do amado e nobre guerreiro que tanta falta lhe fazia!
                Tudo branco e cinza! A terra, o ar, o  castelo, as tristes esperanças,e naquela paisagem triste os únicos coloridos eram dos louros cabelos e os azuis dos olhos da nossa jovem que nem se mexia, fixa que estava a deitar ao longe o olhar e as esperanças.
                A espera era longa e todos os dias voltava a seu posto e à sua esperança que desafiava ao cinza reinante naquela paisagem triste.
                Esse o quadro que mantive na memória, essa a visão que me prendeu em uma aleatória viagem no tempo!

                                                            Mariza C.C. Cezar
                                                                                                                                
                                                                             

2 comentários:

Flávio Tallarico disse...

Minha cara amiga: realmente a esperança de um amor que se foi, torna cinza a visão de quem espera. Os olhos perdidos na neblina gela o coração e vitrifica o olhar da paciente donzela que eu consegui ver em seu lindo texto. Um abração.

Suely Ribella disse...

Na ausência da cor,
a tristeza, a dor,
a saudade de um amor...