domingo, 17 de setembro de 2017

ARIDEZ









                 
                                ARIDEZ







                Aridez intelectual, criativa ou produtiva é algo estarrecedor, nos faz sentir estéril, seca, oca mesmo que o interior esteja efervescente, com angustias oriundas de consciência excessivamente escrupulosa.!
                Essa danada categoria de consciência é no mínimo incomoda, quando não chega a congelar, estende seus tentáculos por todos os órgãos do nosso corpo e fimbrias do nosso ser e coração.
                Não me olhem de esguelha e não me acusem, pois em sã consciência sei que não cometi crime e menos ainda atropelei ninguém, apenas premida pelas circunstâncias, em determinado momento fui evasiva e isso foi o bastante para que a danada da consciência tenha ficado a me atormentar, ocupando todos os espaços e sufocando a liberdade de ser e de me estender pelo mundo da fantasia, sequer da poesia.
                A realidade por vezes é crua, dura e vivemos em mundo absurdamente capitalista regido por inescrupulosos, e  por vezes encontramos circunstâncias em que nos sentimos acuados e impotentes e isso,  afronta e massacra, nos reduzindo a suprassumo de pó de nada e nos induz a crianças assustadas fazendo-nos, reagir como tal.
                Não me justifico e nem se trata de autodefesa, apenas tentativa de pegar essa criança no colo, acalmá-la e fazê-la reviver.
                Tão bom o viver e o sonhar!
                Tão gostoso confraternizar com outros iguais ou mesmo com os desiguais e ainda com personagens frutos da fantasia ou mesmo os reais enfocados e apresentados com as roupagens e adereços da liberdade poética dos nossos devaneios ou criatividade!
                Procurarei saber se já encontraram a mensuração e tratamento para a consciência escrupulosa, vez que se fala tanto em inteligência emocional, por certo já se poderá analisar e tratar as diferentes categorias de consciência que carregamos e que em qualquer oportunidade pula do baú do inconsciente para perturbar o cotidiano.

                                                                   Mariza C.C. Cezar



                                                                       
                                                                


                

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

PERPLEXIDADE





                            PERPLEXIDADE

                                                 
                                                         

                Alguém já terá sentido a perplexidade ante o vazio?
                Não me refiro ao vazio do açucareiro ou do pote de feijão ou de arroz nem mesmo ao do sal, o que poderia ser um inconveniente passageiro e resolvível.
                Também não me refiro aos ditos vazios do coração flagelado por dor de saudade ante a constatação do fim, por vezes temporário, mas com sabor de nunca mais.
                Falo do vazio, do oco, do abstrato, do nada absoluto recortado na paisagem, num trecho de rua, a falta do concreto desaparecido. Falo do impacto do oco visualizado e sentido na atmosfera circundante, aquele que num átimo de segundos nos atinge quando constatamos a ausência do todo, de algo certo, real, concreto.
                O impacto é tão grande que nos tira o chão, nos rouba pedaços de vida e nos faz estagnar como se aquele vazio nos atingisse e ameaçasse e nos sugasse também para aquele buraco no tempo, como se apenas um passo nos separasse do nada absoluto.
                Foi justamente assim que me senti por duas vezes.
                Na primeira, foi em uma das muitas noites em que pegava meu carrinho para matar a saudade do ninho, namorar a casa em que cresci e em certa noite estrelada, agradável e de calorento verão, depois de cumpridas as muitas obrigações diárias de trabalho, domésticas e familiares, me dirigi à rua Piauí, no bairro da Pompéia, a procura do lar e em seu lugar encontrei o vazio absoluto, um nada, misto de finitude, um portal ou vácuo estarrecedor pronto para sugar, para o não ser.
                Em choque e algo estupefata, retornei à nova residência e até hoje revivo aquela cena  enquanto me comprime o peito, e rouba o chão, as raízes.
                Podemos mudar de residências, viajar, correr mundo, mas o berço, o ninho, o lar, permanece como porto seguro, como aconchego e certeza inquestionável.
                Uma segunda vez, poucos anos depois, me deparei com o vazio novamente! Meu carrinho, um Gol tão em moda à época, fruto do meu trabalho e companheiro prestativo e solidário de todas as horas na vida corrida, agitada, sobrecarregada e ativa que levava entre as obrigações domésticas e cuidados com a minha querida mãe que ficara cega em razão de um AVC e minha tia-mãe e madrinha que moravam em outro bairro, e isso fazia antes de ir para o trabalho e na volta dele, aferindo as pressões arteriais das duas, os respectivos remédios, as compras e refeições.
                Tudo certo me despedia delas com um beijo para ir à minha casa preparar o jantar para o marido que chegaria do escritório, enfim, corria e me desdobrava.
                Meu Gol companheiro, à porta sempre à minha espera, mas  naquela noite me deparei com o vazio absoluto, impactante que absurdamente dava a sensação de recorte absoluto no vazio da paisagem local.
                Roubaram meu carrinho e com tudo que havia dentro.
                Não importa se fui à Polícia fazer o B.O. e menos ainda se passei boa parte da noite  na garupa da moto do marido percorrendo os mais diversos bairros e becos da cidade e adjacências, à procura do meu carro, menos ainda o telefone que nos acordou altas horas da madrugada, noticiando que a polícia o havia encontrado, depenado mas disponível. O impacto do vazio já ficara gravado na memória e no coração.
                Esses foram dois momentos distantes entre si, no tempo e no espaço, mas ambos me afrontaram com o terrível vazio, do recorte absoluto na tela ou enredo da vida, ambos me mostraram num repente, o vazio repleto de nada, absolutamente nada que ecoa em mim e que assim ficará, acredito, para todo  o sempre.

                                                                    Mariza C.C. Cezar 



terça-feira, 8 de agosto de 2017

ROSINHA, A BREJEIRA

                                                                                                                                                                   

                                                           ROSINHA, A BREJEIRA
                                          ( Releitura da minha Poesia” Menina de Roça”)

                                                                                 


                        Gostaria de dizer a vocês da graça e boniteza de Rosinha a menina que chamou minha atenção durante as minhas férias de verão, passada no campo.            Vou tentar fazê-lo do jeitinho que ela me prendeu e inspirou com aquele jeito brejeiro de menina de roça.
                        E ela era uma menina de roça, uma daquelas moças donzelas de arraial e costumava amarar os cabelos com laços de fita para ficar bonita e toda catita se enfeitar.
                        No peito pequeno e mimoso, fremente, por sobre o vestido de chita, uma flor colocava suspirando toda de anseio, com muito chiste e momice e na pracinha de amarrar égua, n’um domingo, dia de festa, deitava os olhos como a buscar, sonhos ou algum caboclo que a fazia suspirar toda de anseio e que fazia seus olhos tremelicar enquanto repuxava o cabelo, na boca mantinha um sorriso de quem sem jeito está.
                        E toda engomada, bonita e catita a moça donzela o que queria era o seu amor provocar, tudo fazendo como quem nada queria e sem jeito estivesse.
                        Enquanto a observava, eu aproveitava para beber água na bica, água fresquinha de dar gosto! Deitava os olhos pelo roçado e sentia o cheiro de mato, coisas simples, coisas boas como o povo daquelas bandas.
                        Como era bom escutar o gorjeio das aves de manhãzinha e no cair do sol. Saltitar com os grilos e voltear com as borboletas que pousavam de flor em flor!
                        Enquanto isso fazia, observava e pensava em Rosinha que namorava de “relanceio”, suspirava toda de anseio, pelo seu bem encontrar e com ele “trupicá”  como quem nada quer e em seus braços se enroscar como gata manhosa que não sabe de onde veio aquela pedra tinhosa que bem no meio do caminho, seu pezinho descalço cutucou!
                        A moça donzela, fazendo-se de desprevenida, assustada e ferida, foi cair em braços fortes daquele mesmo caboclo para o qual toda se enfeitou!
                        Rosinha bonita de dar gosto e era matreira a dita mocinha brejeira, sabida em sua ingenuidade de menina de roça, uma graça na verdade!
                        Rosinha a doce caipirinha, nem soube que me prendeu e perdeu de amores e encantos, pois tão ocupada estava na conquista do referido caboclo e nos sonhos e suspiros que ele lhe arrancava, que não teve tempo e nem olhos para notar a conquista que fizera naquelas férias de verão.
                        Que terá sido feito dela? Terá se casado com aquele mesmo caboclo? Terá uma penca de filhos? Estará ainda brejeira e bonita ou com a lida séria da vida, terá perdido o viço, aqueles frescor e brejeirice, castigada pela realidade e crueza da roça.
                        Assim ficou na história como uma interrogação e como um encanto perdido, uma doce lembrança das férias de verão e será uma bonita estória a ser contada num futuro distante para as crianças que quem sabe, um dia terei?

                                                                                                            Mariza C.C. Cezar
                                                                                  

 
                                                                                                             

                         

domingo, 9 de julho de 2017

VAMOS SONHAR ESTA NOITE?

                                                                                                                                               

                      VAMOS SONHAR ESTA NOITE?
                                                                       
                                                                                   

                      Estão, vamos sonhar esta noite?
                      Vamos curtir e acreditar que estamos passando a noite ou mesmo, quem sabe um tempo, um bom tempo em linda e mágica casinha encantada no meio de uma floresta também encantada!
                     Nessa casa, como que por obra dos encantos e sonhos, viveremos uma história ou estória de magia.
                    Será uma estória  de chaminé fumegante, um borralho crepitando lenha em brasa, o forno cheirando a pão assando, um tripé à beira do fogão e do coador corre para o bule um fumegante e cheiroso café!
                 O leite tirado na hora vem quentinho e borbulhante! Que tal tomá-lo primeiro, assim recém-tirado e com um pouco de conhaque?
                      Um gato ronrona ao pé do borralho, as galinhas ciscam no quintal enquanto o cachorro perdigueiro se coça à porta da cozinha,
                      Duendes e gnomos estão a brincar no jardim, e as borboletas volteiam de flor em flor bailando com as fadas das brisas matinais.
                      O cheiro de campos e matas embalam nossos sonhos à noite e pela manhã, ao sol que intensifica o cheiro, nos convida á vida e ação!
                      Nossos olhos brilham ao nascer do sol, o céu se tinge de claro azul mesclado ao rosa e dourado da aurora, e brancas nuvens brincam levadas pela brisa matinal!
                   
O galo rei do terreiro, será o primeiro a anunciar o dia que desperta, dando as boas vindas ao dia, e aos prazeres trazidos pelo rei sol!
                      Que tal? Aceitam meu convite? Acolhem minha sugestão? Vamos então nos dar  boa noite, que o dormir e o sonhar nessa casinha deverá ser um prazer único!
                      O céu será mais estrelado, pois escuro, mais parece macio veludo em tom de azul noite em que miríades de estrelas cintilam como brilhantes bem lapidados!
                      Daremos um último olhar à noite estrelada e aos pirilampos que bailam em coreografia de luzes pisca-pisca e vamos nos deitar e sonhar com o dia que virá trazer novos encantos e vida!
                      Por ora fiquemos com os encantos da noite enluarada!



                                                                                                              Mariza C.C. Cezar
                                                                                
                                                                         

                                                                                         

domingo, 25 de junho de 2017

DOS TEMPOS DE ANTANHO...

                                                                               

                        DOS TEMPOS DE ANTANHO...
                                                                                
                                                                                        

                        Vemos essas mesas postas com requinte, tão formosas e convidativas, a nos seduzir, afagar ao nosso ego como se fosse uma carícia cheia de promessas, enquanto salivamos com o apetite e até a gula despertada e imaginando as iguarias a serem ofertadas e saboreadas.
                           Da mesa posta ao cardápio, á degustação e digestão!
                        Louça inglesa  sobre toalha bordada e com detalhes preciosos de renda irlandesa, os copos de cristais lapidados com mestria a tilintar ao toque, com sonoro e alegre eco, a lavanda com elegância colocada á frente, em diagonal ao lado dos pratos, para que os comensais lavem as pontas dos seus dedos.
                        Já os guardanapos grandes, com monogramas que acompanham à toalha, lindamente dobrados e postos em cima de cada prato ou ao lado  nos “sou-plats”em mesas mais modernas.
                        Os descansos de talheres também ao lado já os talheres foram deixados para depois, mas sempre lindamente polidos de prata de lei, alguns com detalhes  em ouro, hoje os mais comuns de alpaca Wolf, ou inoxidáveis.
                       Os talheres foram deixados para o final é por terem uma regra lógica e importantíssima em sua disposição e isso não se deve ao capricho dos requintes apregoados pelo saudoso Marcelino de Carvalho, mas sim por praticidade e elegância ao usá-los.
                 Vamos a eles pois em primeiro lugar devem ser colocados os talheres, à direita e à esquerda do prato e sempre a serem usados de fora para dentro, isto é na prioridade de uso, de acordo com o serviço e a ordem a serem apresentados.
                        Isso me foi ensinado pela minha tia-mãe, a já famosa T’a Tita, enquanto contava uma estória com sabor do tempo de antanho, quando as mulheres  ainda não tinham queimado seus sutiãs e não eram imponderadas.
                     A menininha que eu era ouviu atentamente à estória e mais tarde a transmitiu às crianças da família e ensinou a muitas domésticas que teve ao longo dos anos, no entanto essa pequena estória hoje, já não teria o mesmo gosto ou efeito, pois os tempos mudaram!
                      Vamos ao exercício de memorização:
                    Antigamente, como os tempos eram diferentes e as mulheres mais frágeis e temerosas, nunca saiam de casa sozinhas, no mínimo iam de duas a duas, sempre com uma companhia, então vejamos: “a” faca e “a” colher são femininas  portanto estão sempre juntas e como são tementes e temerosas andam sempre pelos caminhos da direita e assim “a” faca e “a” colher ficam  do lado direito do prato, já “o” garfo é masculino e assim sendo corajoso e atrevido  está sempre só  e pelos caminhos tortuosos e sinistros, andam pela esquerda e assim ficam do lado esquerdo do prato.
                      Já as crianças como requerem cuidados dos adultos ficam acima dos pratos, para que os mais velhos zelem por elas e assim, os talheres de sobremesa são dispostos seguindo a ordem, “a” colher e “a” faca são colocados à frente do prado com os cabos para a direita e, entre elas e com o cabo para a esquerda deverá ficar “o” garfo.
                    Antiga ou não, creio que ainda serve para ensinar e memorizar a distribuição dos talheres à mesa desde que não se trate de serviço à americano os  atuais  por serem informais e práticos  mais ao sabor dos tempos modernos que são corridos e dinâmicos.

                                                                                                             Mariza C.C. Cezar
                                                                                                                                                                 



domingo, 11 de junho de 2017

SOMBRA X LUZ

                                                                             
                                                                                 
                                                                   

                              SOMBRA X LUZ
                                                                                                 

                No princípio tudo era caos e Deus disse faça-se a Luz e ela foi feita.
                Fazendo um retrospecto, vemos que na história universal o mundo passou por várias fases caóticas, pela ignorância de muitos e a impotência de outros tantos.
                Desde sempre ou desde a insurgência do anjo Lúcifer que por ser o “Portador da Luz”, resolveu se igualar ou sobrepujar a Deus, vindo a ser derrotado pelos exércitos celestes sob o comando do Arcanjo Miguel, portador da espada de lâmina azul flamejante e impulsionado pela fé, pela força, poder e vontade do  Criador.
                Derrotado Lúcifer e seus seguidores, foram banidos e passaram a concentrar suas energias  e conhecimento, a insuflar o mal e o retorno do caos, considerado por muitos como sendo o inferno.
                Entre nós os terráqueos disseminam o   desequilíbrio da ordem, a balburdia insana, os vícios e torpezas, a predominância dos egos e com isso vem a usura, a prepotência, a soberba, a indiferença e a desfaçatez, como vem a ignomínia, o fanatismo,as difamações e tiranias, mais a usurpação e outros males, uns derivados ou animados pelos outros e tudo em detrimento  dos desavisados e despidos de malícia ou maldade que se ocupam com amor e honradez das suas sobrevivências como das dos seus e da comunidade, assim também da pátria em que têm o berço e o abrigo.
                Ocupados com a labuta do dia a dia e dentro do sistema político reinante, elegem seus representantes para regerem e administrarem a essa pátria, em nome do bem comum.
                Aí entra o exército de Lúcifer em busca de adeptos, a instigar o caos, as mazelas morais que levam a muitos males, ocasionando o descontentamento e à desordem a qualquer nação  que sem a Luz da alma e sem ações claras com a necessária honradez e lhaneza , cai cada vez mais em desequilíbrio.
                O povo oprimido e desrespeitado em seus direitos básicos de sobrevivência e dignidade, se queda impotente.
                Não podemos deixar de ter fé e esmorecermos, deveremos sim, em nome dessa fé nos fortalecermos na Luz que ainda brilha em nossos corações e mentes e assim venceremos mais uma vez ao caos, às maracutaias satânicas e com dignidade elevaremos nossas cabeças, nossas vozes e vontades, então sobrepujaremos com e pela Luz, à escuridão ameaçadora, para que possa renascer a Luz nas nossas casas, nos nossos lares e em nossa Pátria miscigenada e laica que a todos acolhe sem distinção como bem simboliza o Cristo Redentor de braços abertos e ecumênicos como nossos corações.
                Com a Luz e o Amor daremos as mãos e reinstalaremos a “ORDEM E PROGRESSO” e ergueremos a nossa auriverde Bandeira Pátria, com ufanismo!
                                                        Mariza C.C. Cezar
                                                                                                                                    

domingo, 7 de maio de 2017

LEMBRANÇAS DE UM PASSADO...

                                                                                                 


                     LEMBRANÇAS DE UM PASSADO
                                                   
                                                                             
                    Tudo era cinza naquela manhã cinza!
                 Cinza o traje da dama ainda jovem, com roupas   de época condizente com a torre em cuja parede se recostava no terraço do castelo cinza.
                 Pensativa e sonhadora a jovem dama tentava esquadrinhar o horizonte a despeito da densa neblina que deixava o dia também cinza e pousado em imenso campo branco recoberto de neve que caia insistentemente naquele frio inverno russo.
                 A dama á torre recostada, olhava fixa e insistentemente esperançosa e também angustiada, como que à espera de alguém, por certo do amado que seguira liderando o exercito armado para uma das muitas guerras que tingiam a neve de vermelho nos campos de batalha e que congelavam de pronto aos que por desgraça caíssem abatidos, dizimando assim as tropas guerreiras.
                A nossa linda e elegante dama continuava dia após dia, a procurar além da neblina, a figura do amado e nobre guerreiro que tanta falta lhe fazia!
                Tudo branco e cinza! A terra, o ar, o  castelo, as tristes esperanças,e naquela paisagem triste os únicos coloridos eram dos louros cabelos e os azuis dos olhos da nossa jovem que nem se mexia, fixa que estava a deitar ao longe o olhar e as esperanças.
                A espera era longa e todos os dias voltava a seu posto e à sua esperança que desafiava ao cinza reinante naquela paisagem triste.
                Esse o quadro que mantive na memória, essa a visão que me prendeu em uma aleatória viagem no tempo!

                                                            Mariza C.C. Cezar
                                                                                                                                
                                                                             

domingo, 23 de abril de 2017

ESTRADA E LIBERDADE


                                           TEXTO ESCOLHIDO ENTRE OUTROS, PELA EDITORA COSTELA FELINA DE CLAUDIA BRINO E VIEIRA VIVO PARA COMPOR A ANTOLOGIA "BASEADO NA ESTRADA"  CRIADA DO CONCURSO  CUJA FINALIDADE FOI COMEMORAR DOS 50 ANOS DO MOVIMENTO HIPPIE.
                                                                           

                                    ESTRADA E LIBERDADE
                                                 


                Dizer que já se foram 50 anos! Isso é uma vida percorrida por caminhos íngremes, tortuosos, retos ou curvos, de densas matas, duras rochas, touceiras de capim ou flores campesinas a margear as estradas do meu caminhar.
                Jovem quase imberbe, uma mochila ás costas, um jeans desbotado, russo e roto, uma camisa florida, pendendo do pescoço um cordão de couro com medalhão símbolo da paz e nos pés andarilhos, sandálias de couro cru com solado de pneu, e no coração expectativas, na testa uma bandagem e à cabeça, algumas certezas e muitas indagações!
                Só ou em ocasionais bandos, caminhei por este mundão exercendo a liberdade de ser e de pensar.
                Liberdade, paz e amor! Esses os bens maiores, a meta, a bandeira que levavamos no coração e que hasteávamos por onde passássemos ou nos deixássemos ficar!
                Quase sempre o fazíamos ao som de um violão, ouvindo ou cantando coisas de Jimmy Hendrix, Jane Joplin, Bob Dylan e da galera que marcava os ritmos do nosso caminhar e viver, que falava a nossa língua e buscava o mesmo que buscávamos.
                Como era boa a roda em volta da fogueira em noites frias e estreladas em que puxávamos um baseado e cantávamos até o dia raiar ou nos entregávamos a viagens pelos caminhos do LSD!
                Não havia hora para nada e nem regras ou obrigações, apenas éramos e assim, confraternizávamos com os iguais!
                Vez por outra fazíamos artesanato que vendíamos em praças públicas ou feiras para ajudar na caminhada e sobrevivência até que, em São Paulo trataram de querer enquadrar o nosso viver e instituíram a “carteirinha de hippie“ para que expuséssemos na Praça Da República, levando-nos a buscar ruas alternativas ou que partíssemos para Embu das Artes com nossa bagagem a tiracolo.
                Grandioso foi o encontro para o festival de Wesak, na lua cheia de touro! Encontro festivo que atraiu a jovens e velhos de espírito jovem e liberto do mundo todo, marcando uma época e fazendo história! Apoteose!
                Quando dormia sozinho ao longo da estrada, buscava abrigo ao pé de uma árvore e antes que o sono chegasse, cumpria um ritual aprendido dos ciganos em cujo acampamento, uma noite pernoitara. Escolhido o sítio para a noite, em volta dele fazia um circulo de urina, demarcando o território para espantar malfeitores e animais ferozes ou peçonhentos.
                Assim segui perambulando pelos verdes anos do meu viver e hoje, com vagar e pesada bagagem da vida adulta, me volto para aqueles tempos em que a estrada era a minha vida e o mundo o meu lar!
                Paz e amor continuam sendo o lema do meu coração mesmo tendo decorrido tantos anos e hoje, com a experiência vivida, ainda acredito ser possível a liberdade, apenas uma questão de foro íntimo.

                                                          Mariza C.C. Cezar
                                                                                                             

                                                           



sexta-feira, 31 de março de 2017

O SOM DA TARDE



                                                                                                                       
                                                                                                                                   




                O SOM DA TARDE... 
                                                  

                Aconchegante o som da tarde outonal, sereno, morno, acolhedor.
                Tarde gostosa! Tarde preguiçosa que convida como se abrisse os braços em abraço cúmplice e terno.
                Sente-se de pronto a entrega de corpo e alma, prazer sem igual!
                Prazer pressentido e convidativo, porém nunca antes sentido, apenas antevisto em sensações, previsto em intervalos corridos entre obrigações.
            Sabia de longa data que estava a minha espera para quando chegasse o momento certo. Cumplicidade a dois, eu e o mundo contido nesse encontro de mim comigo, acolhida por essa realidade intensa, porém amena e terna.
                Fragmento da eternidade!
                O prazer único da vida numa fração de tempo!
               Tempo de ser, de verdadeiramente ser e finalmente sou por inteira nesta tarde outonal prazerosa e minha!

                                                      Mariza C.C. Cezar
                                                     
                                                                             

domingo, 19 de março de 2017

AO PÉ DO BORRALHO...

Bom 
                                                                   

                       AO PÉ DO BORRALHO...



                Acho que sou meio gata pois, borralho me dá muita saudade e uma vontade danada de me enrodilhar e sonhar, trazendo à memória episódios esparsos e ocasionais vividos e ainda vívidos na zona de conforto das lembranças dos tempos das casas das fazendas e também do interior, quando ainda era criança ou pré-adolescente!
                O calor aconchegante da lenha queimando, se fazendo brasa  que enrubesce nossas faces, enquanto esquentamos nossas mãos frias, espalmando-as ao borralho.
                A um canto qualquer dormita um gato ronronando de puro prazer.
                Ao fogão, uma chaleira fumegante e pouco mais distante, o tripé com coador de pano, pronto para coar o café, podendo ainda da água fervente ser feito o famoso chá de estrada como se chama também o de capim cidrão, mais apropriado para as reuniões noturnas com o fim de chamar o sono.
                Ouvir estórias e saber histórias de tios e tias ou dos avós e também dos que não estavam mais aqui. Naquele aconchego gostoso as estórias e os causos tinham muito mais sabor!
                Ali aprendi também muitos truques culinários e receitas ao vê-las praticadas com desenvoltura e dedicação. São coisas que as crianças registram sem nem se darem conta!
                Uma única vez, fiquei um bom tempo em pé ao lado do fogão, enquanto minha avó paterna a pedido do “Senhor seu Marido”, preparava para ensinar à menina de 13 anos a fazer o famoso virado tropeiro. Ali em pé, vi fazer o feijão, derreter o toucinho fazendo torresmo (ai que delícia!) que me trás água na boca mesmo agora que me lembro.
                À beira do fogão, várias pequenas tigelas, uma com a farinha, , outra com a pimenta dedo de moça, mais outra com os temperos, e uma com os torresmos e outra ainda com o cheiro verde tudo processado e, pronto para uso e em outra tigela bem maior, tudo e o feijão coado foram colocados em camadas coloridas que se sobrepunham a despertar a gula enquanto a avó aí despejava concha com o caldo fervente do feijão e um pouco da banha derretida.
                Feito estava o prato e minhas narinas assanhadas e o apetite veio todo do calor, do cheiro, do colorido e do amor com que o prato foi preparado.
                No entanto a magia do borralho me vem à memória também da casa de uma tia materna que morava à rua da Consolação em plena São Paulo da garoa!
                Era ainda criança de uns três anos de idade e ela, a tia me chamou para a cozinha  e tirando a chapa da primeira boca do fogão a lenha, me entregou uma escumadeira e me incentivou a com ela ir puxando as cinzas do borralho e com elas as moedas que  uma bruxa rápida e invisível vinha deixando cair por entre as agonizantes brasas, enquanto ela, a tia e sem que a menina percebesse ia jogando uma a uma, por vezes pequenos punhadinhos de moedas mágicas pela boca descoberta.
                Esfuziante e alegre a menina puxava com a escumadeira o tesouro encantado que a bruxa boa lhe presenteava naquele momento maravilhoso!
                Que magia e encantamento! Esse momento imemorável mais convincente se fazia vez que o gato chamado “Pirulito”, preto como devem ser os gatos das bruxas que se prezam, emprestando autenticidade ao momento se enroscava pelas nossas pernas.
                Lembranças de borralho estão ainda quentes na memória e dão sabor e calor à vida e ao tempo!

                                                   Mariza C.C. Cezar